Disfunção Sexual Feminina: 48% das mulheres se queixam da falta de desejoso sexual

Redação: Cia Materna/ Sacha Silveira Assessoria de Comunicação

Alterações hormonais, doenças e fatores psicológicos estão entre as causas

Muitas mulheres desconhecem que a disfunção sexual feminina está associada a falta de desejo sexual, dificuldade em ficar excitada, lubrificação insuficiente, incapacidade de atingir o orgasmo, dor durante a atividade sexual ou dor durante a penetração. Sem saber o motivo elas se culpam por não conseguir sentir prazer durante a relação com o parceiro, sentem vergonha e não procuram ajuda.

Uma pesquisa recente feita pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo no Centro de Referência e Especialização em Sexologia (Cresex) do hospital estadual Pérola Byington, apontou que a falta ou diminuição do desejo sexual afeta 48,5% das mulheres. 18,2% das pacientes relataram dificuldade em alcançar o orgasmo, 9,2% tinham dispareunia (dor intensa durante a relação sexual) e 6,9%, inadequação sexual (níveis diferentes de desejo em relação ao parceiro). E somente 13% tiveram causas predominantemente orgânicas, como alterações hormonais ou problemas originados por alguma doença.

Segundo a ginecologista e obstetra Dra. Erica Mantelli (CRM-SP: 124.315), pós–graduada em Sexologia pela Universidade de São Paulo (USP), fatores psicológicos e físicos podem interferir no desejo sexual da mulher. “As causas são variadas, desde depressão e doença crônica até efeitos colaterais de medicamentos podem alterar a libido da mulher”, afirma.

E como se não bastasse, as pressões no trabalho, trânsito, cansaço pode fazer com que o sexo não seja realmente aproveitado. “O que as mulheres esquecem é que as relações sexuais são ótimos calmantes, além de relaxar e ser um momento importante para melhorar o vínculo do casal”, comenta a ginecologista.

Reprodução - Imagem Google

Reprodução – Imagem Google

A ginecologista Erica Mantelli listou algumas das causas responsáveis por essa falta de desejo:

Físicas

• Problemas de saúde: infecções vaginais, inflamação do colo do útero, diabetes, depressão, alterações da tireóide, deficiência hormonal, podem afetar o desejo sexual.

• Álcool e drogas: O excesso do álcool e das drogas pode diminuir a libido.

• Medicamentos: anticoncepcionais, antidepressivos, antibióticos, anticonvulsivantes, antihipertensivos podem interferir no desejo sexual

• Quando se tem criança pequena, excesso de trabalho e tarefas extras a exaustão pode diminuir o desejo sexual.

Psicológicas

• Problemas psicológicos: ansiedade e depressão.

• Stress.

• Baixa autoestima.

• Histórico de abuso sexual

É importante ressaltar que muitas vezes a disfunção feminina ocorre devido a disfunção masculina, como ejaculação precoce, disfunção erétil e até mesmo inabilidade do parceiro.

Tratamento

A boa notícia é que existe tratamento para a falta do apetite sexual e vai depender da causa. “Se a causa for psicológica, a paciente deve iniciar uma terapia comportamental cognitiva com um profissional para tratar a disfunção. Caso seja orgânica, o tratamento pode ser medicamentoso”, explica a Dra. Erica.

O tratamento ideal pode requerer consultas multidisciplinares com ginecologistas e profissionais com experiência em sexualidade humana, psicólogo e fisioterapeuta.

Uma boa dica para recuperar o desejo é relaxar, reservar um tempo para jantar, ir ao cinema e aproveitar a vida a dois, deixando o cansaço e outros problemas que possam afetar o casal fora da cama.

O ginecologista é o profissional da saúde mais próximo da mulher, por isso a mulher deve se sentir confiante e à vontade para conversar sobre questões sexuais com seu médico e tirar todas as suas dúvidas.

Muitos problemas sexuais começam por falta de informação e dificuldade dos casais em conversarem sobre isso e da mulher expressar suas dúvidas e desejos.
A saúde sexual reflete a saúde do organismo como um todo, por isso questões sexuais merecem muita atenção e jamais devem ser negligenciadas.

Fonte: Dra. Erica Mantelli (CRM-SP: 124.315), ginecologista e obstetra pós–graduada em Sexologia pela Universidade de São Paulo (USP)

Site – www.ericamantelli.com.br

Veja também: