1º MÊS DE GESTAÇÃO: O momento zero

Por

“Gerar” foi uma série que criei e produzi no final de 2011 para o Programa Mulheres da TV Gazeta. Foi uma experiência que adorei, pois nesta série tive a liberdade de falar sobre gestação e maternidade da forma que gosto, de um jeito humanizado que promove o vínculo entre mãe e filho.

A série também me deu uma grande satisfação que foi poder trabalhar com o ginecologista e obstetra Dr. Claudio Basbaum durante alguns meses. Dr. Claudio é precursor e introdutor no Brasil, em 1974, do chamado Parto Leboyer (nascimento sem violência) e da técnica de massagem para bebês (Shantala). É também um dos pioneiros na implementação da prática e divulgação do parto de cócoras (Parto das índias), assim como dos conceitos de psiquismo fetal em nosso meio. Além de tudo isso é um querido, que sempre foi muito educado, parceiro e carinhoso com todos da equipe do programa.

E vou dividir com vocês tudo o que aprendi com ele sobre gestação durante a série Gerar. Vou postar separadamente cada mês de gestação.

Ilustração site Baby Center Brasil

Ilustração site Baby Center Brasil

1ª semana: existe potencial para ocorrência de uma gravidez

Por mais estranho que pareça, o médico vai calcular a data provável do parto (e a idade gestacional do bebê) contando desde o primeiro dia da última menstruação.

Como é difícil saber exatamente quando a mulher está ovulando, e portanto o dia exato em que o espermatozóide fertilizou o óvulo, os especialistas costumam usar o último ciclo menstrual como ponto de partida para contar os nove meses seguintes.

Isso quer dizer que a primeira semana “oficial” da gravidez é na verdade a semana em que a mulher ficou menstruada. Assim, a idade gestacional é a idade real do bebê mais duas semanas.

2ª semana: ovulação em processo, fertilização do óvulo (fecundação);

Durante a segunda semana como acontece todos os meses, na preparação do corpo para receber uma nova vida, o estrogênio faz com que o útero seja revestido por uma espessa camada de tecido, bem irrigada de sangue.

O aumento na liberação de progesterona prepara o útero para sustentar um possível óvulo fertilizado. Ao mesmo tempo, nos ovários, os óvulos amadurecem dentro dos folículos, que são bolsas cheias de líquido. Nesse curto período de preparação do corpo, a concepção pode ocorrer, quando o espermatozóide chega até o óvulo.

Cerca de duas semanas depois do primeiro dia da menstruação, o óvulo é liberado. Entre as 12 e as 24 horas seguintes, aquele óvulo poderá ser fertilizado se um dos 350 milhões de espermatozóides (a média de uma ejaculação) conseguir nadar todo o trajeto até a tuba uterina, passando pela vagina e atravessando o útero, para entrar no óvulo.

Logo depois de ser fertilizado, o óvulo, que agora se chama zigoto, fecha sua membrana exterior para o resto dos 250 espermatozóides (em média) que também haviam conseguido chegar até ele. 

Em seguida começa a se dividir em células idênticas, ao mesmo tempo em que vai descendo pela trompa de Falópio até o útero, onde continuará a crescer. Por pelo menos duas semanas, você provavelmente nem vai saber que está grávida, embora haja mulheres que afirmem ter sentido qual foi o momento exato da concepção.

Ovulação ocorre +ou- no 14º dia do ciclo menstrual

Duração de uma gestação: 38 semanas ou 266 dias após a concepção (que é uma data suposta) ou 40 semanas ou 280 dias após a DUM (data referencial, onde baseia-se a tabela de cálculo de gestação, calculada a partir do primeiro dia da última gestação.

Fontes:

Documentário: Vida en el Vientre – National Geographic
Grávida e Bela – Dra. Carla Goés Sallet – Ediouro
Gerar e Nascer – Um canto de amor e aconchego – Dr Moises Chenscinski – Polén Editorial
www.brasil.babycenter.com
www.guiadobebe.com.br
www.bebe.com.br