Aprenda fazer a contagem gestacional e qual a semana correta para o seu bebê nascer

Uma das confusões mais frequentes feitas pelas gestantes é sobre a conta do tempo de gravidez, e, até quando devemos esperar para o bebê nascer.

Há uns trinta anos atrás as mulheres faziam a contagem gestacional pelos meses: “Estou com 3 meses, etc”, Mas já alguns anos os médicos os médicos fazem essa contagens pelas semanas e sempre me deparo com alguma amiga que não tem nem noção de qual o seu período gestacional, não entendem essa tal de semanas gestacional.

contagem gestacionalConversamos com a ginecologista e obstetra Dra Barbara Murayama que nos ensinou como fazer essa contagem e o mais importante, nos disse em quais semanas o bebê pode nascer com maior chances de estar saudável e de um parto seguro.

Essa confusão é muito comum para as pacientes. Estamos acostumados a pensar em meses e não semanas. Mas para os médicos a gravidez tem duração de semanas e não meses.

A gravidez tem 40 semanas, pois começamos a contar a partir da última data de menstruação. Contamos a partir do primeiro dia da última menstruação e não desde quando descobrem a gravidez. A contagem começa mesmo antes da fecundação, do ato sexual. A contagem sendo feita dessa maneira é mais segura, dá uma margem de acerto maior para os períodos gestacionais e data prevista do parto. Pois não são todas as mulheres que sabem a data exata da fecundação, ato sexual.”, explica Dra. Bárbara Murayama. 

Os nove meses começam com 38 semanas e vão até 41-42 semanas. “É mais comum entrar em trabalho de parto depois das 40 semanas. O prazo máximo é de 42 semanas, entretanto, hoje é preferível não deixar passar das 41. É possível esperar esse tempo, desde que a gravidez esteja correndo bem e se faça um acompanhamento da vitalidade do bebê”, pontua a médica. Esse monitoramento evita  riscos:

– A placenta não pode estar envelhecida porque é por ela que o bebê recebe oxigênio para respirar e nutrientes para se alimentar.  Essa entrega não pode ficar abaixo do ideal e, se acontecer, o bebê pode apresentar sinais de sofrimento fetal e até mesmo morrer, se não for identificado o problema a tempo.

– O bebê, por já estar maduro, pode fazer cocô na barriga. O problema é que se não for identificado logo, ele pode “respirar” o líquido com o chamado mecônio e ter problemas pulmonares graves.  O mecônio não causa infecção na mãe

– O líquido amniótico, que envolve o bebê,  também pode diminuir bastante e isso é um sinal que está na hora de nascer.

– O bebê pode chegar a um peso exagerado, dificultando o parto.

Segundo a Dra. Bárbara, o mais importante é ter um bom acompanhamento pré-natal, pois qualquer sinal de alteração, a médica poderá intervir sem prejuízo para mãe ou o bebê. O ideal, a partir das 37 semanas é que as consultas sejam semanais e depois das 40 semanas, é preciso uma avaliação a cada dois dias para examinar a vitalidade do bebê e as condições da gestante. “Caso a mãe não entre em trabalho de parto espontâneo até as 41 semanas, isso não significa que será feito necessariamente uma cesárea, pois dependendo da situação, pode-se induzir o parto normal com medicações”, completa a médica.

** Texto de Dra Bárbara Murayama – ginecologista e obstetra

www.gergin.com.br

A médica Relata suas experiências como médicas e mãe no blog “Quando a obstetra engravida” http://barbaramurayama.blogspot.com.br/

Veja também: