Dor de ouvido em criança

Mãe que já teve filho com otite, dor de ouvido sabe que não é fácil, os pequenos sofrem muito, e não é por menos, a dor é intensa e muito forte. Mas como identificar que o bebê ou criança pequena está com otite?

Cia Materna conversou com o otorrinolaringologia Dr. Jamal Azan, e tirou algumas dúvidas sobre otite em criança.

Foto Reprodução - Imagem do Google

Foto Reprodução – Imagem do Google

A partir de que idade que um bebê pode contrair otite?

A otite pode ocorrer em qualquer idade, desde rescém nascidos.  Porém, é mais comum a partir dos 3 meses de idade.  Em crianças menores de 3 meses de idade a otite ocorre mais frequentemente em crianças prematuras ou com mães fumantes.

Como a mãe pode identificar a otite em seu filho?

O principal sintoma da otite é dor, que pode ser muito intensa.  Porém, em bebês não existe a localização da dor, pois o bebê não tem coordenação motora para direcionar as mãos.  Em bebês pequenos a manifestação pode ser de abatimento, diminuição das mamadas, diarréia e febre.

Outro sintoma que ocorre é o vazamento de pus, sangue ou secreções amareladas.  Trata-se de um sintoma típico.

Muito cuidado pois, em bebês pequenos, o ato de passar a mão no ouvido não tem relação com dor.

É comum o bebê ou criança estar resfriada e/ ou com a garganta inflamada e a infecção acabar evoluindo para uma otite?

Sim, esta é a situação mais comum de causa de otite em bebês ou crianças.  Ocorre porque no fundo da garganta existe, nas laterais, a comunicação com os ouvidos (tuba auditiva, antigamente chamada de trompa de Eustachio).  Então, a congestão nasal pode levar a uma dificuldade na compensação de pressão pela tuba auditiva e consequente acúmulo de secreções nos ouvidos e infecção.  Também existe a migração dos vírus pelas tubas auditivas.

 Por que não é aconselhável pingar remédio no ouvido do bebê ou criança?

Os ouvidos são órgãos sensitivos e o próprio nome já diz: sensíveis.  A membrana do tímpano é extremamente fina e delicada.  Pingar algo sem indicação estrita pode levar a complicações mais graves, até como a penetração das gotas dentro do ouvido interno e surdez definitiva.  Pingar qualquer coisa nos ouvidos, somente com indicação do médico para aquela situação em especial !

 É verdade que otite só pode ser tratada com antibiótico?

Não, o antibiótico é utilizado quando existe uma otite bacteriana.  Muitas vezes a otite tem outras causas, sendo a mais comum a causa viral, na qual os antibióticos não tem efetividade.  Existem muitos outros tratamentos, como os sintomáticos antiálgicos ou antiinflamatórios, antialérgicos, descongestionantes, corticóides etc.

É aconselhável colocar pano/ fralda quente na orelha da criança para aliviar a dor?

Sim, este é a primeira atitude a ser tomada e não tem contra indicações.

Deve-se aquecer um pano (toalha ou fralda de pano) a uma temperatura morna para quente.  Nunca deve ser pano úmido, pois a água pode entrar nos canais dos ouvidos.

A mãe deve sempre testar antes a temperatura para não correr risco de lesar a pele.

Manter as compressas mornas durante 15 ou 20 minutos e certamente haverá um alívio imediato, enquanto as medicações vão agindo.

Qual o maior risco da otite?

O maior risco da otite é a meningite e abscesso cerebral.  Não podemos esquecer que “o teto” do ouvido é a base do crânio.  Muitas vezes existe uma camada óssea muito tênue que separa o ouvido do crânio.  Em uma infecção mais forte pode ocorrer a complicação no sistema nervoso central, o que configura uma catástrofe.

 Otite de repetição pode causar perda da audição ou algum dano no tímpano?

Sim, diversos danos podem ocorrer em função de otites de repetição.

Pode ocorrer a perfuração da membrana do tímpano, levando à uma diminuição da audição, que pode ser leve ou moderada.  Isto prejudica demais  as crianças pequenas, principalmente no período de aquisição de fala, podendo retardar a fala normal ou levando a problemas  fonoaudiológicos, como troca de letras etc.

Outra situação séria é a retração intensa e adesão da membrana do tímpano na parede do ouvido interno.  Isto ocorrendo a transmissão do som é bastante prejudicada.  Esta situação é especialmente grave, pois as cirurgias geralmente não estão indicadas e/ou tem resultados ruins.   Pode então ficar uma sequela definitiva de perda autiditiva.

Outra situação, mais rara porém mais grave, é a formação de “colesteatoma”, que é um tumor benigno.

 A natação pode causar otite?

Sim, a natação em bebês pode gerar otites e é um assunto bastante polêmico.  A questão é que o canal do ouvido de um bebê é naturalmente muito estreito e quando a água entra fica difícil de sair.  Então pode manter prolongadamente a umidade da pele gerando otite externa.

Para crianças um pouco maiores, a natação por tempo muitíssimo prolongado (ex: crianças que ficam na praia o dia todo, dias seguidos nas férias) também pode gerar otite externa.

 Existe algum tratamento preventivo para crianças que tem casos frequentes de otite?

Sim, várias orientações:

– a mais importante é não deixar o bebê ou criança mamar deitado.  O ato de mamar deitado pode facilitar a entrada do leite dentro do ouvido médio e levar à otite.  O correto é sempre mamar em uma inclinação mínima de 45 graus, independentemente se for mamadeira ou peito.  Aqui uma orientação muito importante: muitas mães dão o peito durante a madrugada deitadas e deitam o bebê ao lado.  Nunca fazer itso !

– nunca higienizar introduzindo objetos nos ouvidos dos bebês.  As hastes flexíveis (ex Cotonete) podem lesar o conduto auditivo levando à otite.

– manter sempre as vias respiratórias livres, sempre pingando soro fisiológico no nariz dos bebês e crianças.  A limpeza frequente das secreções “lava” as bactérias e vírus predispondo uma mucosa normal.

Fonte: Dr. Jamal Azan – Otorrinolaringologista