O sono do bebê

O sono do bebê e o vínculo com os pais

Foto reprodução - imagem Google

Foto reprodução – imagem Google

Nem todos sabem, mas o sono dos bebês, em especial dos recém nascidos, tem uma arquitetura muito diferente do sono dos adultos.

Desde o número de horas, até a maneira como se dão os ciclos do sono, o bebê passa por um processo de maturação que acompanha seu desenvolvimento psíquico, físico e emocional.

Ao cortar o cordão umbilical, o alimento, o ar, tudo agora depende de um esforço do bebê em consegui-lo.

Da mesma maneira que comer e respirar, dormir também é uma necessidade vital. O cérebro precisa do sono para poder desenvolver-se de maneira sadia.

Ficar sem dormir pode ser tão grave quanto ficar sem comer.

O marco mais importante na vida de um recém nascido é sem dúvida o parto. É no parto que pela primeira vez Mãe e filho deixam de formar um único ser e passam a ter uma existência própria e separada.

Diante das mudanças culturais ocorridas no último século, a mãe que antes tinha um papel definido de dona de casa, hoje tem a conquista de seu espaço no mercado de trabalho.

O pai que antes enfrentava uma jornada de trabalho de 8 horas, hoje passa um tempo cada vez maior fora de casa, seja no trabalho, no trânsito ou em outras atividades. O tempo se tornou artigo raro.

A maneira como se estabelece o vínculo mãe-bebê vai interferir diretamente na qualidade e quantidade de sono da criança. Amar o suficiente, infelizmente não basta. Para dormir bem o bebê precisa aprender a desligar-se da mãe com a certeza de que vai encontrá-la no dia seguinte. E a mãe também precisa ser capaz de desligar-se de seu filho, livre de culpas e tranqüila de que esteve com seu filho nem demais a ponto de “sufocá-lo”, nem de menos a ponto de não conseguir estabelecer um vínculo seguro.

O pai cada vez mais presente, também pode e deve exercer seu papel. Ajudando a mãe a cumprir sua jornada de trabalho, seja dentro ou fora de casa, e ao mesmo tempo permitindo que o bebê estabeleça um novo vínculo, igualmente importante, fica clara a relevância do papel do pai no desenvolvimento dos filhos.

Se seu filho tem dificuldade em adormecer, iniciar o sono, acorda muitas vezes durante a noite, parece sempre irritado e com sono e dorme um número insatisfatório de horas por noite, talvez seja o momento de rever a delicada relação que se estabeleceu entre o bebê e seus pais.

Isso não significa que somos bons ou maus pais. Muito pelo contrário. Gerar e criar filhos psíquica e fisicamente saudáveis é um desafio enorme. Reconhecer as dificuldades que encontramos a cada dia, em cada fase, é o que torna possível superar essas dificuldades e evoluir para novos desafios e conquistas.

Para um sono saudável é necessário que haja três qualidades: plenitude afetiva, flexibilidade, estabilidade.

Plenitude afetiva remete à relação de afetividade que a mãe lida com o bebê: toque, olhar, modo de falar.

Flexibilidade designa a adequação das respostas da mãe às necessidades físicas instintivas de seu filho.

Estabilidade seria a continuidade da relação com uma pessoa, mas também um ritmo de vida equilibrado.

 Se o bebê não dorme bem, a primeira coisa a ser feita, antes de buscar um método eficaz, ele só será eficiente se os pais conseguirem se questionar e refletir sobre o que está acontecendo. Algumas perguntas podem ajudar:

  • O bebê está com dificuldade para ficar sozinho?
  • O bebê sente-se angustiado ao ter que se separar dos pais?
  • A ansiedade do bebê está contagiando os pais?
  • Os pais estão com dificuldades para ser acolhedores?
  • Os pais sentem-se culpados ao deixar o bebê no berço para dormir?
  • Os pais e o bebê têm desfrutado juntos de um número satisfatório de horas durante o dia?

É necessário aceitar as respostas para poder encontrar as soluções. Muitas vezes, a ansiedade do bebê contagia de tal forma os pais que se torna uma tarefa difícil serem acolhedores nesse momento. Mas os bebês precisam se sentir protegidos pelos pais diante de sentimentos como aflição, medo, abandono.

A importância da rotina para o sono

Para ajustar seu relógio biológico, o organismo baseia-se em fatores, como a presença ou não de luz, ruídos ou silêncio e os horários das refeições. Por isso é muito importante a maneira como se estabelecem esses fatores e sua constância, ou seja, a introdução de uma rotina com horário definidos é muito benéfica para garantir o ritmo do relógio biológico.

O bebê fica mais relaxado se souber o que vai acontecer, quanto mais relaxado ele estiver, mais provável será que ele vá para a cama sem problemas e durma rápido.

Os pais que decidem o que incluir na rotina, pode ser um banho, seguido da troca, uma história e um pouco de chamego, ou uma brincadeira tranquila. É preciso escolher alguma coisa que deixe a criança calma. E, apesar de o ritual poder começar em qualquer lugar, o ideal é que ele termine no quarto do bebê.

A rotina

  • Use o poder da água

A imersão na água morna é gostosa e deixa seu filho limpinho e tranquilo para ir para a cama. O banho também é uma ótima chance de os papais participarem mais da rotina do recém-nascido. E é um marco que separa o dia da noite

  •  Faça uma massagem

Antes ou depois do banho, os pais podem massagear seu filho com movimentos suaves e óleo ou hidratante especiais para bebê.

  •  Check list

É necessário checar a segurança do berço e as fraldas do bebê antes que ele pegue no sono.

  • Alimentação

Alimentar o bebê com uma última mamada antes de dormir pode ajudar a mantê-lo alimentado e sem fome por um período maior de tempo.

  • Objeto Transicional

Para diminuir a ansiedade causada pela separação do bebê durante a noite, adote um objeto que o acompanhe.

Rituais que antecede o sono

  •  Leia uma história

Ler uma história é um jeito clássico de colocar uma criança para dormir. O ideal mesmo é estabelecer o tempo da história ou o número de livrinhos, em vez de ler até ele pegar no sono. Dessa forma, a mãe dá ao bebê uma oportunidade de aprender a adormecer sozinho.

  • Cante para ele
  • Canções de ninar são um método infalível para fazer bebês dormirem.
  •  Toque música

Ligue um aparelho de som no quarto do seu filho com canções de ninar, música clássica ou outro ritmo de que seu filho goste e que não o deixe muito agitado, e deixe tocando depois que você sair do quarto. Além de facilitar a chegada do sono, a música disfarça os ruídos externos.

O ritual não pode ser muito longo. Cerca de meia hora já é suficiente, sem contar o banho. Assim, os pais conseguirão repetir o processo todo dia, mesmo que tenha visitas em casa ou que esteja em outro lugar. A previsibilidade da rotina vai até ajudar a tranquilizar seu bebê se vocês estiverem num ambiente novo.

 Curiosidade:

 Uma pesquisa quantitativa do perfil do sono do bebê, realizada com 35 mil pais de crianças de até três anos de idade em todo o mundo, chegou a resultados esclarecedores sobre o nosso país. Constatou-se que:

– 35% dos pais brasileiros acham que seu filho tem algum problema relacionado ao sono;
– 21h41 é o horário médio em que as crianças do Brasil vão dormir;
– 18% consideram que seu filho não dorme bem à noite;
– em média, as crianças brasileiras tiram sonecas que totalizam 2 horas entre o momento em que acordam, até a hora de ir dormir à noite;
– o ritual do sono do bebê brasileiro, ou seja, do momento em que o pai ou a mãe começam a colocar seus bebês para dormir até que ele adormeça dura, em média, 50 minutos;
– 21% dos bebês brasileiros dormem com os pais na mesma cama;
– 52% dos bebês dormem em seu berço;
– cerca de 12% dos bebês brasileiros adormece assistindo à TV, ou assiste antes de dormir.

*** O estudo realizado pela Johnson & Johnson contou com a participação de Jodi Mindell, especialista em problemas do sono pediátrico, diretora associada do Centro do Sono, no Hospital das Crianças da Filadélfia, e professora de psicologia na Universidade Saint Joseph.

Fonte: livro: “O sono do meu bebê” – Renata Soifer Kraiser

Veja também: